Your browser (Internet Explorer 6) is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this and other websites. Learn how to update your browser.
X
Nota

At the Theatre: On Stage

 

 

 

 

 

 

Nota

No Teatro: Em Palco

 

 

 

 

 

 

Nota

At the Theatre: Mini Album Personalities

Nota

No Teatro: Mini Álbum Personalidades

Nota

Luanda Cartoon: The International Comic Art Festival

Hi again. This time round let us speak about something a little different, about Luanda Cartoon: The International Comic Art Festival!

Annually since 2005, this Comic Art Festival has been bringing together Comic Book Artists, Cartoonists, Illustrators and Animators in a gathering where professionals, amateurs and fans can rub shoulders.

The 9th Edition of the ever popular International Comic Art Festival will run until 24 August,  with events divided between two venues: The Camões Institute (Instituto Camões) and at Belas Shopping.

Organized by Olindimar Estúdio, the event will offer displays of Comic Book Art, sessions of various Animated Films, related thematic Workshops and Inaugural presentations of various new Comic Books. There will be something for everyone.

This year´s Festival, named Luanda Cartoon, will host approximately 30 Angolan Cartoonists who will be displaying their creative work. These include Olímpio de Sousa, Lindomar de Sousa, Tché Gourguel, Horácio da Mesquita, Armando Pululu, Casimiro Pedro, King André, Pai Jota, Canoth Júnior, Altino Chindele, Ermenegildo Pimentel and the Eclips.

Alongside these national artists, a further 11 from outside the country are also expected. In attendance will be creators such as Eduardo Barbier from France. Hugo Teixeira, João Mascarenhas, João Amaral, Nuno Saraiva and Teresa Pestana from Portugal. Alexandre and Adams Damas from Brazil. Makhmud Eshonkulov from Uzbekistan. Zorito Chiwanga from Mozambique and Jeremie Nsingi (RDC).

Have you missed the fun thus far? There is still time for you to see some of the upcoming Animated Films! On the 20, 21, 23 and 24 of August the Instituto Camões will be displaying various short films provided by the Alliance Française of Luanda, as well as Animated Films produced by Olindomar Estúdio. Some examples of what you can still watch are:  “Persépolis”, by Marjane Satrapi, (on 05/09/12) and “O Mágico” by Sylvain Chomet (on 19/09/12).

I hope you enjoy what is on offer at Luanda Cartoon. When my schedule permits I will drop by. Perhaps we will bump into each other!

Nota

Luanda Cartoon: O Festival Internacional de Banda Desenhada

Olá de novo! Hoje vamos falar sobre algo um pouco diferente, sobre Luanda Cartoon: O Festival Internacional de Banda Desenhada!

Anualmente, desde 2005, este Festival de Banda Desenhada tem vindo a reunir Artistas de BD, Cartunistas, Ilustradores e Animadores num evento onde profissionais, criadores amadores e fãs podem trocar ideias e conhecerem – se mutualmente.

A 9 ª Edição deste  sempre popular Festival Internacional de Banda decorre até 24 de Agosto, com eventos divididos entre dois locais: o Instituto Camões e o Centro Comercial Belas Shopping.

Organizado pela Olindimar Estúdio, o evento oferece Exposições de Arte BD, sessões de projeção de vários filmes de animação, seminários temáticos relacionadas e lançamentos de vários livros de BD. Haverá algo para todos.

O Festival deste ano, com o nome “Cartoon Luanda”, vai acolher cerca de 30 cartunistas de Angola, que irão apresentar os seus trabalhos criativos. Estes incluem Olímpio de Sousa, Lindomar de Sousa, Gourguel Tchê, da Horácio Mesquita, Armando Pululu, Pedro Casimiro, André Rei, Jota Pai, Júnior Canoth, Chindele Altino, Ermenegildo Pimentel e os Eclips.
Paralelamente a estes artistas nacionais, mais 11 de fora do país também são esperados. Em atendimento será criadores como Eduardo Barbier da França. Hugo Teixeira, João Mascarenhas, João Amaral, Nuno Saraiva e Teresa Pestana, de Portugal. Alexandre e Adams Damas do Brasil. Makhmud Eshonkulov do Uzbequistão. Zorito Chiwanga de Moçambique e Jeremie Nsingi (RDC).

Ainda não consegui ir até lá? Não perdeu tudo! Ainda há tempo para ver alguns dos filmes animados! Nos dias 20, 21, 23 e 24 de Agosto Instituto Camões irá exibir várias curtas-metragens fornecidas pelo Alliance Française de Luanda, assim como filmes animados produzidos pelo Olindomar Estúdio. Alguns exemplos do que ainda pode assistir são: “Persépolis“, de Marjane Satrapi, (em 05/09/12) e “O Mágico“, de Sylvain Chomet (em 19/09/12).

Espero que aprecie o que está em oferta no Festival Cartoon Luanda. Quando minha agenda permitir eu dar um salto por lá. Talvez nos encontramos!

Nota

Traditional Ceremonies: Angolan Culture and Customs (Part 5)

Ceremonies are important both in the traditional and modern Angolan culture. The most common ceremonies are those which celebrate and announce the various stages of life. Childbirth and a naming ceremony herald the arrival of a child into the world, initiation inducts adolescents into adulthood, and rites of transition prepare the dead for the afterlife. This week let us ponder these important traditional customs!

Childbirth, Names, and the Naming Ceremony

In Angola childbirth is seen as the fulfillment of marriage. In traditional societies, pregnant women were cared for and nursed in the home throughout their pregnancy, with the help of the older women of the tribe. In rural areas hospitals are often not available within reasonable distances. This means that there is little access to modern medical prenatal monitoring and counseling on issues such as hygiene, nutrition, and family planning. Delivery may also have to be done by birth attendants who are likely to be untrained in the proper medical procedure.

The naming ceremony formally welcomes the newborn into the world. Traditionally, the ceremony is directed by an elder of the family who confers on the child the names that the father has provided. In Angola names are never mere words! They reflect a person’s history and define his personality and identity. Names are given based on the circumstances of the birth of the child or related family conditions. Children may also be named after ancestors, due to the belief that these ancestors will protect those who bear their names.

Initiation Ceremonies

One of the most important traditional Angolan customs is the rite of puberty (iniciação da puberdade). In this rite boys and girls which have come of age are initiated into adulthood. This rite is primarily intended to prepare young people for their respective social roles as adult men and women. Initiation rites are elaborate, lasting at least several weeks, and ending with days of celebration throughout the entire community.

Male initiation rites often include instructions on sexual matters in order to groom the boys for their impending marital role and other duties that adulthood demands of them. Most initiation rites require the boys to be subjected to a test of courage and fortitude, a trial of survival in which they must stay alone in the forest for a specific period of time.

Masquerade dance is another important feature of boys’ initiation rites. The use of masks is so central to these rites that among the Chokwe initiates are taught the art of mask carving, as part of the preparation. A popular Chokwe mask is of the female godess Mwana Pwo, which is worn by male dancers during the puberty rites.

For the young men, the completion of the rite signifies the attainment of adulthood. As men, they must now associate with other men, not with children and women, as they did before the initiation rites.

Female initiation rites are likewise conducted when a girl reaches her childbearing age. During the ritual dances the girls are beautifully adorned with traditional makeup and hairdos. The initiation rituals prepare the girls for wifehood and motherhood through training under the direction of elderly women. Their training focuses on the issue of the traditional woman’s role in society.

Death and Funerary Rites

Many Angolan communities expect proper funeral rites to be observed and certain rituals to be performed for a dead person. Funerary rites vary somewhat from one group to another, but there are also general elements: ritual mourning, ceremonial washing of the body, and the embracing and kissing of the body by family members.

Even in contemporary Angola, it is a strongly held belief that life continues after death, in spirit form. Failure to perform proper funerary rites prohibits the departed from perfect rest or from entry into the abode of the ancestors. The ancestor may become an aimless, wandering, restless spirit. A spirit considered harmful to the living.

In some communities children can play important roles. In Kuito and Malange, children pass under the coffin of a dead relative during the funeral ceremony and are expected to cut their hair to show mourning and respect for the departed relative. This is done to prevent the child from being afflicted by the spirit of the dead person.

Nota

Cerimônias Tradicionais: Cultura e Costumes de Angola (Parte 5)

Cerimônias são importantes na cultura angolana tanto na tradicional como na moderna. As cerimônias mais comuns são aquelas que comemoram e anunciam as diferentes fases da vida. O parto e a associada cerimônia de nomeação anunciam a chegada de uma criança ao mundo, a iniciação assinala a entrada dos adolescentes na vida adulta, e os ritos de transição prepararam os mortos para a vida após a morte. Esta semana vamos ponderar esses importantes costumes tradicionais!

O parto e a Cerimônia de Nomeação

Em Angola, o parto é visto como o cumprimento de casamento. Nas sociedades tradicionais, as mulheres grávidas eram cuidadas e mantidas em casa durante toda a gravidez, com a ajuda das mulheres mais velhas da tribo. Nas áreas rurais, os hospitais muitas vezes não estão disponíveis dentro de distâncias razoáveis. Isto significa que há pouco acesso a acompanhamento médico moderno pré-natal. Há também pouco aconselhamento em questões como higiene, nutrição e planeamento familiar. O parto também pode ter de ser feito por parteiras que provavelmente serão inexperientes no procedimento médico adequado.

A cerimônia de nomeação acolhe formalmente o recém-nascido ao mundo. Tradicionalmente, esta cerimônia é dirigida por um ancião da família, que confere à criança os nomes que o pai indicou. Em Angola os nomes nunca são meras palavras! Eles refletem a história de uma pessoa e definem a sua personalidade e identidade. Nomes são dados com base nas circunstâncias do nascimento da criança ou condições relacionadas com a família. As crianças também podem receber os nomes dos antepassados​​, devido à crença de que esses ancestrais irão proteger aqueles que recebem esses nomes.

Cerimônias de Iniciação

Um dos mais importantes costumes tradicionais de Angola é o rito da puberdade (Iniciação da Puberdade). Neste rito rapazes e raparigas que chegaram á idade apropriada são iniciados na fase adulta das suas vidas. Este rito é destinado principalmente a preparar os jovens para os seus respectivos papéis sociais como adultos. Os ritos de iniciação são elaborados, com duração de pelo menos várias semanas, e terminados com dias de festa para toda a comunidade. Ritos de iniciação masculina muitas vezes incluem instruções sobre questões sexuais, a fim de preparar estes rapazes para o seu iminente papel conjugal e as outras tarefas que a vida adulta irá exigir deles. A maioria dos ritos de iniciação exige que os rapazes sejam submetidos a um teste de coragem e fortaleza, uma prova de sobrevivência durante a qual devem ficar sozinhos na floresta durante um determinado período de tempo.

A dança com mascaras é outra característica importante dos ritos de iniciação dos rapazes. O uso de máscaras é tão central nestes ritos que os iniciados Côkwe são ensinadas a arte da escultura da máscara, como parte da preparação. Uma popular máscara Côkwe utilizada nestes rituais é a máscara da deusa Mwana Pwo de, que é usada pelos dançarinos masculinos durante os rituais de puberdade.

Para estes jovens homens, a realização do ritual significa atingir a fase adulta. Como homens, eles agora devem associar-se com outros homens, não com as crianças e mulheres, como faziam antes dos ritos de iniciação.

De igual forma os ritos de iniciação femininos também são realizadas quando uma rapariga atinge sua idade fértil. Durante as danças rituais as raparigas encontram – se maravilhosamente adornadas com maquilhagem e penteados tradicionais. Os rituais de iniciação prepararam as raparigas para serem esposas e para a maternidade sob a direção de mulheres idosas. Seu treinamento foca a questão do papel tradicional da mulher na sociedade.

Ritos Funerários

Muitas comunidades angolanas mantem que ritos funerários apropriados deverão ser realizados para a pessoa falecida. Os rituais funerários variam um pouco de grupo para grupo, mas há também elementos gerais: luto ritual, lavagem cerimonial do corpo, e  o abraçar e beijar do corpo pelos familiares.

Mesmo na Angola contemporânea, a ideia que a vida continua após a morte, na forma de espírito, é uma crença muito forte. Não realizar os ritos funerários apropriados proíbe conseguir um descanso perfeito ou pode impossibilitar a reunião com os antepassados. O ancestral pode se tornar um espírito errante, sem rumo e inquieto. Um espírito considerado nocivo para a vida.

Em algumas comunidades, as crianças podem desempenhar papéis importantes. Em Kuito e Malange, neste rituais as crianças passam debaixo do caixão do familiar morto durante a cerimônia de funeral. O cabelo da criança é cortado para mostrar luto e respeito pelo familiar que partiu. Isto é feito para impedir que a criança seja atingida pelo espírito da pessoa morta.

Nota

Semba, Kizomba & Capoeira: Angolan Culture and Customs (Part 4)

As I mentioned earlier semba is perhaps Angola´s most popular dance form. But there are others also worth mentioning.  This week let us take a closer look at semba, Kizomba, Capoeira de Angola and Luanda’s Carnival.

Semba

Semba is a high tempo dance that gets its name from “Masemba”, a word which means “a touch of the bellies”, the motion that characterizes this type of dancing. Semba originated in the seventeenth century in the coastal areas of Angola around Luanda and Benguela. It was a dance that celebrated special events such as births, marriages, and good harvests because it is capable of conveying a broad spectrum of emotions. Before the arrival of the Portuguese the semba dance was part of traditional religion. Dancing accompanied the worship of the godess Kianda, in honour of whom food, clothing and other gifts were thrown into the sea.

Many Angolans believe that semba may have given birth to Samba, Brazil´s national music. The transatlantic slave trade of the seventeenth century forced the relocation of countless enslaved Africans, who took some of their cultural traditions with them.

Semba is often accompanied by music played on traditional Angolan musical instruments such as the tarolas (snare drums) and the dilongas (bass drums). However semba is far from being merely an archaic tradition. Semba keeps pace with the times through the efforts of innovators such as DiaKiemuezo and Bonga, who strive to popularize this music and dance internationally. Other young artists and groups, are joining veteran semba musicians to reclaim the style’s old popularity, which had began to decline somewhat. Examples of musicians “taking this route” are Flores and Maravilha, a band formed in the early 1990s. They are all worth a listen.

Kizomba and Tarachinha

Kizomba and tarachinha are similar to semba but are more intimate, sensuous, and slower than semba.

The origins of kizomba are unclear. Some defend that it is of Angolan origin with influences from other Lusophone countries, others hold that it originated on the Cape Verde Islands. Whatever its origins, what cannot be debated is that kizomba is known, and danced, throughout Lusophone Africa as well as in Portugal itself. In fact, kizomba is usually sung in Portuguese with African rhythms. Angolan musicians who play kizomba include Flores, Paim, Murras, Irmãos Verdades, and Don Kikas.

Tarachinha is an even more seductive dance than kizomba. While kizomba is normally danced with the partner held in a light embrace, in tarachinha dancing partners are locked in a rather tight, sensual embrace and dance in a very slow manner, almost not moving.

Capoeira

Throughout Angola´s history, due to the slave trade of the 16th and 17th centuries, there have been constant exchanges in culture and customs between Angola and Brazil. One example of this type of exchange is the mbulumbumba. The mbulumbumba is a bowed instrument, which is indigenous to Southern Africa but is better known by its Brazilian name, berimbau. The berimbau is played by holding a stick (baqueta) in the right hand, striking the wire of the bow (arame) and controlling the resulting sound by pressing the gourd (cabaça) towards or away from the abdomen.

The berimbau is integral to the practice of Capoeira de Angola, a martial art and acrobatic dance form that is a popular Brazilian national tradition. While Capoeira de Angola is that is more identified with Brazil than Angola, its roots are from Africa. There are even some who say that Capoeira was practiced in Angola during pre-colonial times and that it was banned by the Portuguese colonialists. In Brazil Capoeira was a way by which enslaved Africans confronted slavery. In its original form, Capoeira’s martial art aspect was subtle and disguised, hidden “beneath” the acrobatic dance. Hidden in plain sight!

Carnival

Definitely not hidden, or subtle in any way, is Luanda’s Mardi Gras parade. This parade is one of Angola´s most important cultural events. The Mardi Gras Carnival was inherited from the Portuguese, with much infusion of African culture through costume and music. This three-day carnival draws a very large crowd. It features a parade of grupos carnavalescos (carnival groups), drawn from Luanda and its neighborhoods, colorfully attired, in masks and decorated headgear. All these groups compete for prizes based on the quality of their dance and music.

If you would like to know more about Angolan Dance, the Carnival is a good place to start!

Nota

Semba, Kizomba & Capoeira: Cultura e Costumes de Angola (Parte 4)

Como referi anteriormente semba é provavelmente a mais popular das danças Angolanas. Mas há outras que também merecem ser mencionadas. Esta semana vamos dar uma espreitadela mais profunda sobre semba, kizomba, Capoeira de Angola e o Carnaval de Luanda.

Semba

Semba é uma dança com um ritmo elevado, que deriva o seu nome de “Masemba”, uma palavra que significa “um toque das barrigas”, o movimento que caracteriza este tipo de dança. Semba originou no século XVII nas áreas costeiras de Angola perto de Luanda e Benguela. Era uma dança que celebrava eventos especiais, como nascimentos, casamentos e boas colheitas, porque era capaz de transmitir uma amplitude de emoções. Antes da chegada dos Portugueses semba fazia parte da religião tradicional. Esta dança acompanhava o culto da deusa Kianda, em honra da qual comida, vestuário e outras oferendas eram atiradas ao mar.

Muitos Angolanos defendem que semba pode ter dado à luz a Samba, a música nacional do Brasil. O comércio transatlântico de escravos do século XVII forçou a relocalização de inúmeros africanos escravizados, que levaram consigo algumas de suas tradições culturais.

Semba é muitas vezes acompanhada por música tocada com instrumentos tradicionais Angolanos, como as tarolas e os dilongas. No entanto semba está longe de ser meramente uma tradição arcaica. Semba mantém-se ligado aos tempos contemporâneos através dos esforços de inovadores, como DiaKiemuezo e Bonga, que se esforçam para popularizar esta música e dança internacionalmente.

Outros jovens artistas e grupos, estão trabalhando junto com músicos veteranos para recuperar a popularidade do antigo estilo semba. Uma popularidade que tinha começado a diminuir um pouco. Exemplos de músicos que seguem esta rota são Flores e Maravilha, uma banda formada no início de 1990. Eles merecem todos ser ouvidos.

 Kizomba e Tarachinha

Kizomba e tarachinha são semelhantes ao semba, mas são mais íntimos, sensuais, e mais lentos do que o semba.
As origens de kizomba não são claras. Alguns defendem que é de origem angolana, com influências de outros países lusófonos. Outros sustentam que ela originou em Cabo Verde. Qualquer que sejam suas origens, o que não pode ser debatido é que kizomba é conhecida, e dançada, ao longo de toda a África Lusófona, bem como em o próprio Portugal. De facto, kizomba é geralmente cantado em Português, com ritmos africanos. Músicos angolanos que tocam kizomba incluem Flores, Paim, Murras, Irmãos Verdades, e Don Kikas.

Tarachinha é uma dança ainda mais sedutora do que kizomba. Enquanto kizomba é normalmente dançada com o parceiro em terno abraço, na tarachinha os parceiros de dança encontram-se trancados num abraço apertado e sensual. Dançam de forma muito lenta, quase sem se mexerem.

Capoeira

Ao longo da história de Angola, devido ao comércio de escravos dos séculos 16 e 17, houve intercâmbios constantes na cultura e costumes entre Angola e Brasil. Um exemplo deste tipo de troca é o mbulumbumba. O mbulumbumba é um instrumento curvo, que é indígena á África Austral, mas é mais conhecido pelo seu nome brasileiro, berimbau. O berimbau é tocado com um pau (baqueta) segurado na mão direita, este bate no fio do arco (arame) e o som resultante é controlado pressionando a cabaça direção (ou para longe de) do abdômen.

O berimbau é parte integrante da prática da Capoeira de Angola, uma arte marcial e forma dança acrobática que é uma tradição popular brasileira nacional. Enquanto Capoeira de Angola é mais identificada com o Brasil do que com Angola, as suas raízes são Africanas. Há mesmo quem diga que a capoeira era praticada em Angola durante o período pré-colonial e que foi proibido pelos colonialistas portugueses. No Brasil a Capoeira era uma forma pela qual os africanos escravizados confrontavam a escravidão. Na sua forma original, o aspecto marcial da Capoeira era sutil e disfarçado, escondido “debaixo” da dança acrobática. Escondido bem á vista!

Carnaval

Algo que definitivamente não é escondido, ou subtil, é o desfile Mardi Gras de Luanda. Este desfile é um dos mais importantes eventos culturais de Angola. O Carnaval Mardi Gras foi herdado do Português, com a infusão de grande parte da cultura Africana através de roupas e música. Este carnaval de três dias atrai um público muito grande. Ele apresenta um desfile de grupos carnavalescos (grupos carnavalescos), oriundos de Luanda e os seus bairros, todos coloridamente vestidos, com máscaras e toucas decorados. Todos esses grupos competem por prêmios em função da qualidade de sua dança e música.

Se quer saber mais sobre dança Angolana o Carnaval é um bom lugar para começar!