Your browser (Internet Explorer 6) is out of date. It has known security flaws and may not display all features of this and other websites. Learn how to update your browser.
X

Archive for Setembro, 2012

Nota

Reis and Nobre on Stage: “A Tale of Endless Love”

What is it like to be on stage? You feel butterflies in your stomach, your hands become clammy and your mouth dries. Performance anxiety hits as you wait for the curtain to rise. The lights dim, the audience goes quieter. The curtains begin to rise and suddenly it is time. The audience waits, you ease into the lines you have rehearsed over and over, you respond to, and anticipate your fellow actors, and you watch the reaction of audience through the corner of your eye. Scene follows scene and, all too quickly, it is time for curtain fall, you wait the applause of the audience hoping that it will be hearty, not merely courteous. And suddenly it is over.

While all the Arts and Humanities attempt to comment on various aspects of Human Existence, Theatre is of special interest to me because in it one of the aspects which defines us as a species, our tendency to be “story telling animals” is particularly salient. When Shakespeare wrote “All the world’s a stage, And all the men and women merely players”, he made a statement which seems quite simple but which can be interpreted on many different levels. I discovered some of these levels on my first voyage into the world of Theatre, as an Actor in the Play “História de Amor Sem Fim”, (“A Tale of Endless Love”), alongside the great Actor Fernando Nobre.

While I have acted before for television, my first Acting experience on stage was, as they say a “completely different animal”. In television a performance can be, schedule permitting, repeated. Details can be tweaked. The end product may be “polished” through various production techniques. None of these safeguards exist on stage. There is little room for mistakes, and any mistake made must be corrected, or compensated for, immediately. This is yet one more way in which Life can imitate Art. In both Art and Life you may never get a second chance to make a good first impression. You always have to think on your feet.

Another reason why I am quickly developing an appreciation for Theatre is because, contrary to much of what appears on Television, a good Play is never meant to be mere entertainment. There is always an attempt to explore philosophical ideas and to present these by telling a story. Drawing from texts by William Shakespeare and Fernando Pessoa, the Play “História de Amor Sem Fim” brought together Music, Dance and Fashion. Some scenes summoned tears, while others produced laughter. Throughout the whole Play however, there was an underlying theme: “Love each other”, always a good message to share.

Did you get a chance to see the Play when Fernando Nobre and I performed in Lobito? Drop us a line or leave a comment. Tell us what you thought about my first Play!

Nota

Reis e Nobre em Palco: “Uma História de Amor Sem Fim”

Qual é a sensação de estar em palco? Sentimos borboletas no estômago, as mãos tornam – se húmidas, a boca fica seca. A ansiedade do desempenho, de fazer um bom trabalho ataca enquanto esperamos o subir da cortina. As luzes diminuem, e o público fica mais silencioso. As cortinas começam a subir e, de repente, chegou a hora. O público espera, você interpreta o texto que veio a ensaiar e decorar. Respondemos e antecipamos os nossos colegas, olhamos a reação do público. Cena segue – se a cena, e subitamente, chegou a hora da cortina começar a descer. Esperamos o aplauso do público, na esperança que seja um aplauso saudável, e não apenas cortês. E de repente a peça acabou.

Enquanto todas as Artes e Humanidades tentam comentar sobre os vários aspetos da existência humana, o Teatro é de especial interesse para mim. No Teatro um dos aspetos que nos define como espécie, a nossa tendência de ser “um animal que conta histórias” é particularmente aparente. Quando Shakespeare escreveu que “Todo o mundo é um palco, e todos os homens e mulheres meros atores”, ele fez uma afirmação que parece bastante simples, mas que pode ser interpretado em muitos níveis diferentes. Descobri alguns destes níveis na minha primeira viagem ao mundo do Teatro, como Atriz na peça “História de Amor Sem Fim”, ao lado do grande ator Fernando Nobre.

Embora eu já tinha representado antes para a televisão, a minha primeira experiência representando ao vivo, no palco foi, como dizem “um animal completamente diferente”. Na televisão um desempenho pode ser, se a agenda o permitir, repetida. Os detalhes podem ser alterados. O produto final pode ser “polido” através de várias técnicas de produção. Nenhuma dessas garantias e salvaguardas existem no palco. Há pouco espaço para errar, e qualquer erro cometido deve ser corrigido, ou compensado, imediatamente. Isso é uma forma pela qual a vida pode imitar a arte. Em ambos Arte e Vida poderemos nunca chegar a ter uma segunda hipótese de fazer uma boa primeira impressão. Você estar sempre em alerta.

Outra razão pela qual estou rapidamente desenvolvendo uma forte apreciação pelo Teatro é porque, ao contrário de muito do que aparece na televisão, uma boa peça de Teatro nunca tem o intuito de ser apenas lúdica.

Há sempre uma tentativa de explorar ideias filosóficas e apresentar estas através do contar de uma história. Baseando – se em textos de William Shakespeare e Fernando Pessoa, a peça “História de Amor Sem Fim” reuniu música, dança e moda. Algumas das cenas convocam as suas lágrimas, enquanto outras produzem gargalhadas de riso. Ao longo de toda a peça no entanto, houve um tema subjacente: “Amar uns aos outros”, o que é sempre uma boa mensagem de compartilhar.

Você por acaso teve a hipótese de ver esta Peça quando Fernando Nobre e eu a representamos em Lobito? Deixe-nos uma mensagem ou um comentário acerca do que viu. Diga-nos o que você pensa sobre a minha primeira Peça de Teatro!

Nota

At the Theatre: On Stage

 

 

 

 

 

 

Nota

No Teatro: Em Palco